Content Warning: Violin

Ofuscado pela Inglaterra do século XVI, em cujo contexto só nos
vêm à mente Henrique e Elizabeth, está Sir Thomas Wyatt.


F AREWELL, Love, and all thy laws for
        ever ;
   Thy baited hooks shall tangle me no more.
Senec, and Plato, call me from thy lore,
To perfect wealth, my wit for to endeavour ;
In blind error when I did persever,
Thy sharp repulse, that pricketh aye so sore,
Taught me in trifles that I set no store ;
But scaped forth thence, since, liberty is lever1
Therefore, farewell ! go trouble younger hearts,
And in me claim no more authority :
With idle youth go use thy property,2
And thereon spend thy many brittle darts :
    For, hitherto though I have lost my time,
    Me list no longer rotten boughs to clime.

(Wyatt’s ‘A renouncing of Love‘)

O contexto da época me obriga a atribuir várias características poeticamente clichês aos escritos de Wyatt. E acho que o único caso em que eu não uso a palavra “clichê” pejorativamente é quando se trata de poesia.

Devido à pouquíssima fama de Sir Wyatt, pode-se entender o meu espanto quando o vi ser retratado em The Tudors. Papel insosso, romantizado e simplificado. Mas ainda assim, foram declamados vários de seus poemas no decorrer da série, sendo todos perfeitamente encaixados à cena – certo, provavelmente a cena é que foi encaixada. Minhas palmas ao diretor, e deixo aqui a prova das minhas palavras:

Poria aqui o sempre presente “warning” que acompanha essa cena. É forte. E mais forte que as pessoas sendo decapitadas é a declamação da These Bloody Days Have Broken My Heart com o violino (sempre) fatídico ao fundo. E a literatura sempre nos torna mais fortes (e principalmente mais fracos) a poemas e violinos em escalas menores.

These bloody days have broken my heart.
My lust, my youth did them depart,
And blind desire of estate.
Who hastes to climb seeks to revert.
Of truth, circa Regna tonat.

(Wyatt’s These Bloody Days Have Broken My Heart)

.

(Lembrando aos possíveis chatos de plantão, que aqui discuto literatura, e não a validade histórica ou artística da série The Tudors. E aposto que esta observação entre parênteses vai comprometer a poesia e o drama do resto do post. Oh, well.)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: